mercados internacionais

  • Entenda os mercados internacionais: desafios e oportunidades para investir

    Beny Parnes, gestor de crédito da SPX Capital e ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, comenta em live da Taler sobre investimentos no exterior como estratégia para diversificação e impactos da pandemia nos mercados globais

    Os investidores interessados em diversificar o seu patrimônio no exterior precisam ter uma visão atenta para os movimentos dos mercados internacionais.

    Em live realizada pela Taler Gestão de Patrimônio, Beny Parnes, gestor de crédito da SPX Capital e ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, analisou as economias mundiais e como os países estão reagindo à crise do coronavírus. A entrevista foi conduzida por Gustavo Sandoval, sócio-fundador da Taler, e Thiago Vitorello, gestor internacional.

    Para os participantes, mesmo em tempos de pandemia, a estratégia de investir em ativos internacionais pode reservar boas oportunidades e minimizar riscos.

    O evento está disponível ao final da matéria e no canal no Youtube da Taler.

    Os impactos da pandemia no mundo

    Beny Parnes destaca que a pandemia atingiu as economias dos países ao redor do mundo de maneira muito diversa. Em geral, as sociedades mais desenvolvidas e organizadas economicamente sofreram menos as consequências do que os emergentes.

    “Todos os países fizeram uma resposta fiscal muito forte, na casa de 10% do PIB”, comenta. Os governos implantaram programas para socorrer famílias e empresas, como com concessões de crédito e transferência de renda.

    Nos Estados Unidos, por exemplo, o Federal Reserve (Fed) atuou fortemente para injetar liquidez no mercado e com estímulos monetários. A taxa de juros no país se mantém na faixa de 0% a 0,25% ao ano.

    Na opinião de Parnes, alguns países do oriente estão se recuperando bem da crise, principalmente apoiados pela indústria de manufatura, como é o caso da China. Já países do ocidente reagiram com o aumento da dívida pública em resposta à crise. “O mundo emergente fez um esforço para se segurar, sofreu muito mais com a pandemia”, diz.

    Investimentos no exterior como estratégia de diversificação

    Sabe aquela lição básica no mundo dos investimentos sobre diversificação? Beny Parnes exemplifica bem a questão com a seguinte comparação: pense que o investidor é o dono de uma ilha onde há um coqueiro. Para ele garantir que terá coco, faz um acordo com os donos de outras ilhas. Todos dividem as produções dos seus coqueiros.  Assim, caso uma ilha tenha prejuízos, um “vizinho” poderá contar com o outro. A mesma lógica serve para os ativos no exterior. É uma estratégia para ter uma carteira diversificada, como forma de se proteger dos riscos.

    “Nós vivemos em um país emergente, onde a turbulência macroeconômica já tende a ser maior”, afirma Parnes. Diante da incapacidade de prevermos os acontecimentos futuros, a orientação se torna ainda mais importante. “Onde você ganha a sua renda, você não deve deixar todo o seu dinheiro, por mais que pareça o melhor negócio do mundo”.

    Com a queda histórica da taxa de juros e aumento na cotação do dólar, mais investidores consideram essa como uma opção interessante. Há dois caminhos para diversificar os investimentos no exterior. O primeiro é entrar em ativos negociados no Brasil e atrelados a mercados internacionais, como os fundos de ações estrangeiras, os fundos cambiais ou até ações de empresas globais listadas no mercado brasileiro. O segundo é enviar o dinheiro para o exterior e efetivamente buscar títulos lá fora. Investir em outras moedas e regiões geográficas é uma tarefa que exige uma boa análise e acompanhamento das economias globais.

     

z
Fechar