lajes corporativas

  • Investimentos em imóveis: entenda as oportunidades e impactos com a pandemia

    Em live da Taler, os especialistas destacam as possibilidades para os investidores em diferentes segmentos imobiliários, como residencial, lajes corporativas e logística

    Os imóveis representam um tradicional tipo de investimento entre os brasileiros.  Tempos atrás, com a alta inflação, ter um imóvel era sinônimo de proteger o patrimônio. Mas será que investir em imóveis é um bom negócio hoje?

    Como forma de diversificação, o segmento oferece um leque de possibilidades e operações como venda, locação, incorporação, loteamento. Assim como qualquer tipo de investimento, o ideal é planejar e definir estratégias do que pode ser mais rentável.

    Na live realizada pela Taler, Rodrigo Sgavioli, Head de Planejamento da Patrimonial da gestora, conversou com Nilton Molina, Diretor da Biswanger Brasil, e José Antônio Marques, Diretor na Jmarques Consultores de Patrimônio, sobre as perspectivas para o mercado imobiliário.

    Eles comentaram como a pandemia afeta diferentes setores, além das oportunidades ao investidor. Uma alternativa interessante também é alocar ativos por meio dos fundos imobiliários, que se popularizaram ao longo dos últimos anos.

    Para assistir à transmissão completa, acesse o vídeo no canal do Youtube da Taler (https://www.youtube.com/watch?v=4wDIUp_M-Yc) ou ao final da notícia.

     

    Vantagens

    “O imóvel tem como vantagem ser um bem durável e tangível”, afirma José Antônio Marques. É um mercado cíclico, ou seja, as fases de retração e expansão se repetem. Caso você queira sair do investimento, pode esperar o melhor momento para fazer negócio no médio e longo prazo.

    Outra característica é capacidade de adaptação no uso do imóvel. “Se tiver alguma mudança na vizinhança, você consegue alterar o uso de uma planta industrial, que acabou ficando no meio de uma cidade, para um condomínio residencial ou para uma loja de varejo”, exemplifica Nilton Molina.

     

    Residencial

    A queda da taxa básica de juros e as facilidades de financiamento são incentivos para quem quer comprar um imóvel residencial. Um estudo da Fundação Instituto de Pesquisas (Fipe) e do Grupo Zap mostrou que a intenção de compra de imóveis nunca foi tão grande, desde o início da série histórica, em 2014. No 3º trimestre de 2020, 48% das pessoas responderam que tinham intenção de adquirir um imóvel nos próximos três meses.

    O que está mudando é o padrão de imóvel residencial mais procurado. Se antes, a preferência era por studios de poucos metros quadrados nos centros urbanos, agora, com as práticas de home office na pandemia, espaço e conforto são levados em consideração, e o menor tempo de deslocamento entre casa e trabalho deixou de ser tão importante.

    Para quem quer alugar, Nilton Molina destaca o avanço de ferramentas digitais que facilitam o processo para modelos de longa estadia ou curtas estadias, como QuintoAndar e Airbnb.

     

    Lajes corporativas

    Desde o início da crise do coronavírus, a vacância dos escritórios tem aumentado. Parte das empresas adotaram o home office, suspenderam expansões de suas estruturas e enxugaram gastos com imóveis comerciais.

    “Teremos devoluções. Não sabemos qual o tamanho disso ainda”, avalia o diretor da Jmarques Consultores de Patrimônio. As mudanças de comportamento e de modelo de trabalho devem ser levadas em conta pelo investidor de lajes corporativas. É preciso fazer uma boa análise dos impactos da vacância e ajuste de preços.

    Logística

    “A pandemia foi um catalizador para o movimento de expansão do mercado logístico no Brasil”, afirma o diretor da Biswanger Brasil. As compras pelo e-commerce dispararam, e as empresas que atuam no setor passaram a considerar projetos de condomínios em diferentes regiões do país. Para o investidor, as perspectivas são positivas.

    Afinal, qual o futuro do mercado imobiliário?

    Na opinião de Nilton Molina, o objeto principal de cada setor não vai mudar. As pessoas continuam precisando de um local para morar, as empresas continuam precisando de escritórios, assim como as lojas de varejo e shoppings continuam existindo. “O que teremos que fazer é uma avaliação desses espaços para uma nova forma de comportamento da população”.

    “Imóvel é um investimento e tem que ser tratado como um investimento. Não como um bem que vai ser perene e não precisa ser negociado nunca”, orienta José Antônio Marques.

     

     

z
Fechar